Viver com o Deus do coração

Mais cedo ou mais tarde chegará a hora em que o Espírito Santo nos instruirá a concentrar todas as nossas forças espirituais para levá-las ao Deus Trino. A seguir, apreendemos mais profundamente as palavras do apóstolo: "Não sabeis que sois santuários de Deus e que o Espírito Santo habita em vós?" (Cor. 3,16), ou a promessa do Salvador: "Se alguém me ama, guardará a minha palavra, e meu Pai o amará, e viremos a ele e nele faremos morada" (João 14: 23).

Então acontecerá a nós, como Santa Teresa, que confessa a si mesma: "Nunca soube exatamente o que significa rezar, até que o próprio Deus me ensinou a me reunir em mim mesmo, e dessa recolhimento interior obtive o maior benefício". Quanto mais recolhimento, mais se concentra em mim todo o mundo de pensamentos e sentimentos sobre a Santíssima Trindade. Se queremos ser, em grande medida, pessoas espiritualizadas, devemos estar atentos ao que Deus nos diz. Quanto mais nossa espiritualização crescer, mais viveremos à luz da fé e deixaremos de lado a razão puramente natural. Como é possível estar sempre com Deus? Devemos adivinhar seus desejos. Quando Deus está perto de mim, quando Ele me olha continuamente e eu estou continuamente Nele, então acontece que todo o meu ser também respira a proximidade de Deus. Nosso maior apostolado está em nosso ser espiritualizado. O nosso trabalho quotidiano deve ser saturado, por um lado, pelo esforço de cumprir uma tarefa específica e, por outro, por estar frequentemente perto de Deus, que habita e trabalha em nós. Quando dia após dia sou consumido pelo amor a Deus, então minha vida espiritual cresce decisivamente; esta pura convicção cresce em mim, por esta pura entrega. Com isso alcançamos o objetivo da nossa vida: contemplar-nos à luz da fé e ver Deus frequentemente em nós pela fé: falar com ele, dizer-lhe com as nossas emoções que o reconhecemos e necessitamos, redirecionando para Ele todo nosso ser e finalmente, fazendo pequenos sacrifícios por Ele. A vida no santuário do coração deve ser sempre uma vida dedicada ao sacrifício, à transformação e à comunhão. Essa é a vida de quem vive verdadeiramente no santuário do coração.


(Retirado de "Meu coração, seu santuário", Editorial Schoenstatt, Santiago do Chile)