Alegria orgânica

A alegria perfeita

De maneira mais profunda, devemos nos interessar pela questão do significado da perfeita alegria sacerdotal de viver. Talvez eu também possa derramar os pensamentos na forma pela qual começamos aqui. A perfeita alegria sacerdotal de viver é um alto grau de alegria orgânica sobrenatural-espiritual. Você deve frequentemente pesar esta expressão: um alto grau de alegria orgânica sobrenatural-espiritual. 

Uma alegria orgânica espiritual-sobrenatural

Deve ser uma alegria perfeita. Como vocês sabem, o original dos nossos meios ascéticos é sempre o orgânico. Assim, também neste ponto temos o orgânico: a alegria espiritual-sobrenatural orgânica é contrastada com a alegria espiritual-sobrenatural mecânica, que consiste no fato de que só admito a alegria espiritual-sobrenatural e não conheço nem reconheço nenhuma outra alegria. Mas se falo de alegria orgânica espiritual-sobrenatural, a alegria deve ser vista tanto do ponto de vista do sujeito cuanto ratione obiecti (referindo-se ao próprio objeto) no organismo de toda a estrutura da natureza humana. Aqui você tem a incorporação prática da grande lei fundamental que diz: gratia non destruit, sed perficit et elevat naturam (a graça não destrói a natureza, mas a aperfeiçoa e eleva). As alegrias sobrenaturais espirituais não querem destruir, mas aperfeiçoar as outras alegrias consideradas subjetiva e objetivamente.

Aqui, eu gostaria de girar em torno de tudo que diz respeito a este ponto em torno da expressão "alegria orgânica sobrenatural-espiritual". Ao falar sobre isso, obviamente, quero dizer em alto grau, mas não tenho que repetir isso constantemente. Alegria orgânica do ponto de vista subjetivo e objetivo.

Quanto ao objeto: na minha aspiração não incluirei apenas os bens espirituais-sobrenaturais, mas também os bens espirituais naturais e os bens sensíveis desejados por Deus. Como você pode ver, abri diante de mim o amplo campo de alegrias sensíveis desejadas por Deus. Posso fumar meu cigarro, beber meu vinho: tudo isso também é uma alegria para o filho de Deus, mas sempre dentro da hierarquia da alegria. Os bens sobrenaturais espirituais são os mais elevados; os outros devem ser vistos como valores parciais e também buscados como tais da maneira desejada por Deus e agradável a Deus. O mesmo é verdade também para os bens espirituais naturais, para a virtude moral. Em uma época que pensa de maneira tão unilateral mecânica, trata-se aqui de destacar repetidamente o organismo, de vê-lo com clareza e de liderar e orientar claramente o nosso povo.

Continuemos: alegria espiritual-sobrenatural orgânica considerada a partir do sujeito. Quando minha alegria é perfeita, organicamente perfeita? Quando abraço um objeto não só com o bem sobrenatural do amor infundido, com minha vontade espiritual-natural, mas também com meus sentimentos.

Amor raiz de alegria

Qual é a raiz desta magnífica e bela árvore da alegria? É o amor. Talvez valha a pena verificar o que está dito na Sagrada Escritura. Faça-o com base nas oito bem-aventuranças (Mt 5: 3-12). Estude como, quando e em que contexto a alegria nos é prometida. Lá eles têm a perfeita alegria sacerdotal de viver. Dê uma olhada: Abençoado ... Abençoado ... Abençoado ... Como serei abençoado? Como toda a minha natureza tremerá interiormente de alegria? Jesus nos diz. Preste atenção ao seguinte: aqui são indicados bens objetivos que, segundo o sentimento puramente natural, são considerados na maioria dos casos como um mal; pobreza, paciência, mansidão, perseguição. Mas aqui se diz, em todos os casos: se queres ser feliz, tenta, à luz da fé e impelido pelo amor, fazer de todos estes males um objeto de alegria!

O que importa para mim é que tenhamos um conceito claro de alegria, que vejamos a alegria diante de nós como cheia de alegria, que talvez tenhamos saboreado um pouco a alegria para que o impulso seja despertado em nós: eu quero fazer tudo para capturar minha vida como expressão de uma única grande alegria. E o que devo fazer? Lute por uma alegria profunda, interior e divina!