COMBATER AS DISTRAÇÕES

Eu sou muitíssimo distraída. Muitíssimo. Daquelas que já bateram o carro, mais de uma vez, porque estava simplesmente pensando enquanto dirigia. Eu não estava sem uma das mãos no volante, eu não estava usando o celular, eu não estava dirigindo de forma imprudente. Eu estava apenas pensando em outras coisas. Mas calma! É seguro pegar uma carona comigo, eu só quis afirmar algo que Guilherme, meu marido, sabe na marra: a Paula é distraída e se ela for ao mercado sem a lista de compras - bom, ela terá que ir outra vez.

Agora peguem essa Paula e a coloquem numa outra cena: uma igreja, silenciosa, com a presença de Jesus Eucarístico (em nosso último episódio tratamos da importância central da Eucaristia para nós católicos): a equação fica difícil, não? É disso que trataremos hoje – a importância de combater as distrações no momento da oração e do encontro pessoal com Deus.

Nosso Fundador disse, certa vez, que uma pessoa que está sempre agitada, que passa o dia pulando entre várias atribuições, que não consegue calar, que está sempre em ação, não pode reclamar por não conseguir se concentrar no momento da oração. É óbvio que alguém que nunca está em silêncio, também terá dificuldade de calar frente a Deus. E ele tem razão: é impossível passar por um dia conturbado sem que essa desordem chegue ao encontro com Cristo. Deus ordena sempre (no sentido da virtude da ordem, e não da obediência) – Deus impulsiona à ordem (vejam como ele ordenou a natureza, por exemplo, numa gradação perfeita de animais e de sua existência), então, chegar até Ele exige de nós certo domínio de nós mesmos, certa ordenação das nossas bagunças interiores, certa busca pela serenidade e tranquilidade.

Estamos a tratar com Deus e não com um amigo de faculdade, não é mesmo? Então, não chegamos “de qualquer jeito” tratar com o próprio Cristo, mas nos portamos de maneira filial, humilde, profundamente contrita das ofensas contra Ele. E buscamos o Amor e ser amados. E saímos para o Amor e para amar. Se vocês, como eu, têm dificuldade em rezar de maneira concentrada, vejam algumas dicas de como combater as distrações. Não se enganem, a luta é constante e temos que estar sempre vigilantes. Vamos lá:

  • Tenha um horário fixo para rezar: encaixem na agenda, acordem mais cedo ou durmam mais tarde. Mas não deixe de estabelecer um momento conveniente todos os dias.
  • Peça a seu Santo Anjo da guarda para combater contigo todas as distrações. Comigo já aconteceu das notificações de celular não aparecerem, como um pequeno bug no aparelho. Achei genial.
  • Usem sua natureza a seu favor: é mais concentrado de dia ou de noite? (eu sou intelectualmente inútil após as 21hrs) Não deixe o terço para as 22h, se você as 20 já está bem cansado.
  • Tenha sempre em mãos bons livros de leitura espiritual, que podem ajudar na condução de uma oração. Eles são sempre ótimas alternativas para voltar à concentração.
  • Busque sempre propósitos práticos e fuja das teorizações teológicas – o Fundador sempre nos lembra para manter distância do intelectualismo – nossa fé deve ser viva, simples e concreta! 
  • E, como última dica: não se culpe e não desista! Deus bjs quer ver sempre lutando para combate nossas imperfeições. E Ele nos chama e nos ama exatamente assim: do jeitinho que somos.
Distraídos de Schoenstatt: uni-vos! Avante!