Estou cansada. Quem não está?

Quem não está cansado de não poder viajar, encontrar os amigos, ir à academia sem usar máscaras e sem higienizar os equipamentos 3 vezes a cada uso?

Quem não está cansado de não ter festa junina, de não poder sentar com os próprios filhos nas missas, quem não está cansado de reuniões virtuais?

Quem não está cansado de estatísticas alarmantes e tristes, de EAD e de lavar (e perder) máscaras toda semana?

Quem não está cansado das mortes de entes queridos e conhecidos?

Eu estou.

Mas encerrando nosso mês de junho, é no Coração de Jesus que encontramos refúgio. No Coração manso e humilde que tudo suporta, que a todos ama e que a nada teme. No coração de Jesus que é acalento, fortaleza e profunda liberdade. No Coração de Jesus que nos ensina que o fardo é leve e suave.

Estamos encerrando o primeiro semestre de mais um ano pandêmico, e o que isso nos mostra? Que nossa esperança e confiança não podem, nunca, estar relacionadas ao que acontece externamente à nós. Sei que é difícil, mas mesmo cansados, não são nas notícias jornalísticas e nas redes sociais que devemos fincar nossa segurança. Somente Deus tem o leme de nossas vidas e somente Ele detém a tempestade. Todas elas, até os tempestuosos trovões que trazemos em nosso coração.

É no Sagrado Coração de Jesus, que vem sempre acompanhado do Imaculado Coração de Maria, que encontrarmos a verdadeira causa de nossa segurança e alegria. E ainda que custe, é com Eles que queremos compartilhar nossos medos, angústias e insegurança, para com Eles enfrentar e vencer o mundo, conscientes na vitoriosidade de Maria, que esmaga a serpente e empunha o cetro.

Não são conhecimentos intelectuais todos esses, contudo. Mas um exercício de relacionamento e intimidade com um Deus de amor e de bondade. Convido a vocês a visitar um pouco mais o Santíssimo Sacramento nessa semana. Conversar a sós com Aquele que perscruta seu coração, e lhe confiar todo seu amor. Lhe contar as causas do seu cansaço (nenhuma é insignificante) e pedir serenidade e alegria para enfrentar os desafios da vida como cristãos. Nunca se ouviu saber, como diz São Bernardo, de alguém que tenha se entregado à Maria, pelas mãos de Jesus, e que tenha resultado desamparado. Não seremos nós os primeiros.

Como diz o Fundador, a filialidade heróica vence todas as dificuldades. É com o reconhecimento de nosso desvalimento, de nossa pequenez ante Deus, que encontrarmos forças para continuar, para estar a serviço, para cumprir nosso dever com responsabilidade e alegria. Para reconhecer que Deus tem cuidado de tudo, mas que nos pede perseverança e fidelidade.

Que o teu cansaço se transforme em aroma de flores no caminho de todos os que encontrar.

Avante!