A fé, uma nova visão – parte 1



A fonte cognitiva, a luz que ilumina toda a escuridão do tempo, é a simples fé sobrenatural que se torna particularmente eficaz na fé prática na Providência. O Espírito Santo ajudar-nos-á a caminhar segura e vitoriosamente, guiados pelo fio da Providência divina, a caminho do céu, tornando realidade os planos secretos de Deus e vencendo cada escuridão, cada abismo, cada perigo que nos ameaça.

O Apóstolo Paulo disse uma vez: "Justus meus ex fide vivit" (Rom 1,17), o homem justo vive pela fé. O que significa isto? Depois de ter fé, depois de ter sido justificado, depois de ter sido filho de Deus e de ter recebido simultaneamente com filiação divina fé, esperança e caridade - as virtudes teologais - devemos também viver de acordo com a fé, viver pela fé.

Falando de fé, não devemos esquecer que ela não é um acto de razão mas de "fides caritate formata", ou seja, uma fé que abraça a pessoa inteira, uma fé que é aperfeiçoada pela esperança e pela caridade e que impele todo o ser humano para o coração de Deus, para a pessoa do Deus vivo.

Todos nós vemos a criação. Mas quem vê a criação à luz da fé, vê nela uma obra-prima de Deus, a manifestação do poder divino, da majestade divina. O Deus espiritual criou o sensato, a fim de nos atrair através dele. Cada criatura, cada vizinho, é um gancho que Deus usa para me atrair.

Como é transcendental cultivar o espírito de fé, duplamente... numa ordem social pluralista onde homens das mais diferentes atitudes fundamentais se misturam de forma confusa! Se então o poder e a graça de Deus não iluminarem o interior, mesmo o subconsciente, e depois iluminarem novamente a partir do indivíduo, iluminando todos os acontecimentos mundiais, veremos quão rapidamente a fé e o espírito de fé irão ruir.

(Texto retirado de "Deus, onde estás?" - Aphorismos, compilado de conferências e escritos do Padre José Kentenich, e publicado a 18 de Outubro de 1972).