Semana Santa

Ainda que seja possível questionar as certezas históricas a respeito dos acontecimentos da Semana Santa (em termos precisos quanto aos dias da semana, já que evidentemente tudo o narrado nas Escrituras constitui a Verdade), queremos propor um roteiro de acontecimentos que nos sirvam como aprofundamento nesse tempo em que recordamos a morte e a ressurreição de Jesus. O que acham?

Vamos aproveitar essa semana santa para nos vincular, com ainda mais força, à Cristo e aprofundar nossa fé?

DOMINGO DE RAMOS: Constitui a entrada triunfal de Jesus em Jerusalém, narrada pelos quatro evangelistas. Naquela mesma noite, Jesus retorna à Betânia, onde dorme – muito provavelmente, na casa de seus amigos.

SEGUNDA-FEIRA: Jesus retorna à Jerusalém e se indigna com o comércio realizado no templo, repreendendo a incredulidade do povo. Volta a Betânia novamente ao anoitecer.

TERÇA-FEIRA: Jesus volta à Jerusalém, onde é questionado sobre o dia anterior (do ataque aos comerciantes incrédulos do templo) e, como resposta, ensina por meio de diversas parábolas. Jesus profetiza a queda de Jerusalém caso seus habitantes não creiam nele (o que efetivamente acontece como tipo – temporalmente, e acontecerá como antítipo, no fim dos tempos).

QUARTA-FEIRA: Nesse dia vemos Judas conspirando para entregar Jesus e receber seu pagamento (trinta moedas de prata) – ele, inclusive, se incomoda com a quantidade de óleo que é utilizado por Maria de Betânia para ungir Jesus, mas é repreendido e nosso Salvador lhe resposta que está sendo ungido para seu sepultamento.

QUINTA-FEIRA: Início do Tríduo Pascal (os três dias que se constituem como a Paixão de Cristo). Recordamos a última ceia de Jesus com seus apóstolos. Temos o lava-pés e a instituição da Eucaristia. Jesus vai ao horto das oliveiras e seus apóstolos – ao invés de orarem – adormecem. Perto da meia-noite Jesus é traído por Judas e é levado para a casa do sumo sacerdote. É costume passarmos uma hora em adoração, nessa noite, acompanhando Jesus.

SEXTA-FEIRA: Jesus passa a noite trancado na cela da casa do sumo sacerdote e de manhã é levado à Pilatos, governador romano que encarrega o caso ao rei Herodes. Herodes, por sua vez, o remete novamente à Pilatos, que cede à pressão das autoridades e condena Jesus à crucificação. Perto do meio-dia é levado ao Gólgota (via-sacra) e é crucificado ao meio dia, agonizando até as 15 horas. As 15 horas, Jesus entrega seu espírito ao Pai, e morre. É descido da cruz e sepultado às pressas, antes de anoitecer. Guardamos a sexta-feira santa não apenas com a abstinência de carne (comum à todas as sextas-feiras, salvo solenidades), mas também com jejum e oração.

SÁBADO SANTO: O corpo de Jesus está no sepulcro, mas sua alma está na mansão dos mortos. No sábado celebramos a missa, após as vésperas, que anunciam a ressurreição do Cristo. Inicia-se a missa no escuro e acendemos o fogo da Páscoa, que nos lembra que o Cristo vive e ilumina a todos. Cantamos nosso Aleluia, renovamos nossa esperança e cremos, uma vez mais, na vitória de Cristo sobre a morte.

DOMINGO: Dia de festa e alegria Pascal. Cristo ressuscitou! Aleluia!